Luís Graça & Camaradas Subsídios para a história da guerra colonial > Guiné (27) > Fá Mandinga, Missirá e outros destacamentos e sub-unidades de Bambadinca 

 

 

Guiné (1969/71) > Mapa do Sector L1 / Zona Leste

Fonte: História da CCAÇ 12: Guiné 69/71. Bambadinca: Companhia de Caçadores nº 12. 1971

© Luís Graça

Sinais e abreviaturas

 NT= Nossas Tropas

 Badora, Bissari, Corubal, Cuor, Xime = Regulados

 RGeba, RCorubal = Rio Geba, Rio Corubal

 N, W, S, L= Quatro pontos cardeais: norte, oeste, sul, este

 

 IN= Inimigo

 1 = Um bigrupo (50/60 guerrilheiros)

 2 = Dois bigrupos (90/100 guerrilheiros) 

A/B =  1 grupo de artilharia (morteiro 82, canhão s/r 75 e 82) + 1  grupo especial de bazuqueiros (RGP) (Mangai…)

Zonas de instalação permanente ou temporárias  do IN ou da população sob o seu controlo (Poidon…)

Text Box:  

 

     

Unidade de quadrícula  das NT (1 companhia de artilharia)  (Xime…)

 

Destacamento de milícias (em geral 1 pelotão) em tabanca (aldeia) organizada em autodefesa (Finete…)

Tabancas sob duplo controlo (IN e NT)  em reordenamento (Nhabijões…)

 

Tabancas (em geral, fulas), organizadas em autodefesa (Sinchã Mamadjai…)

 ٭

Pelotões de Caçadores Nativos (Missirá…)

Linhas de infiltração do IN (Cuor…)

Bases, acampamentos ou outros locais de instalação permanente ou temporárias  do IN (Mangai…)

Sede do Sector L1 (comando, companhia de comando e serviços, unidade de intervenção…) (Bambadinca…)

Povoação e aquartelamento das NT (Mansambo…)

+

1 Grupo de combate (ou menos)  em defesa de pontos estratégicos (como pontes ou passagens fluviais) (Ponte dos fulas…)

Delimitação (territorial) do Sector L1 / Zona Leste (RCorubal…)

O nosso álbum de fotografias

Índice (de A a Z) (a)

 

Bambadinca > CCAÇ 2590 / CCAÇ 12 (1969/1971)

Bambadinca > BCAC 2852 (1968/1970) / BART 2917 (1970/1972) /BART 3873 (1972/1974)

Fá (Mandinga) > PEL CAÇ NAT 63 (1969/71), 1ª Comp Comandos Africanos

Missirá > PEL CAÇ NAT 52 (1968/70)

 

 

 

Pelotão Daimler 2406

 

Guiné-Bissau > Zona Leste > Estrada Xime - Bambadinca > Carreira de tiro > 1972 > O Alf Mil Cav José Luís Vacas de Carvalho, comandante do Pel Daimler 2406, foi também instrutor de tiro de "duas ou três companhias de milícias", numa altura em que aumentava a  escalada da guerra e se intensificava o esforço de africanização da  das NT."Eu estou atrás do General Spínola [É visível o distintivo da arma de cavalaria na boina do Vacas de Carvalho que, para além disso, usava bigode].  Ao meu lado direito está (parece-me) o Fabião e logo a seguir o Polidoro Monteiro [comandante do BART 2917]. E atrás, de óculos escuros, parece-me ser o Tomé.


© J.L. Vacas de Carvalho [2006]

 

 

Guiné > Zona Leste > Xitole > 1970 > O Alf Mil Cav J. Vacas de Carvalho, comandante do Pelotão de Reconhecimento Daimler 2206 (Bambadinca, 1969/71),  ao centro, à chegada de uma coluna logística ao Xitole. Está lçadeado pelos furriéis milicianos da CCAÇ 12, Humberto  Reis (à sua direita) e Roda (à sua esquerda)

Foto: 
©  Humberto Reis (2006) 

 

 

Fá Mandinga > Pel Caç Nat 63 / 1º Companhia de Comandos Africanos

 

Missirá > Pel Caç Nat 52  (1968/70)

Guiné > Bissau > Outubro de 1969  > O Alf Mil Beja Santos, comandante do Pel Caç Nat  52, à direita, com mais três elementos da sua sub-unidade. Legenda da foto: "Bissau, Outubro de 69. A uma mesa de café, junto das docas de Bissau, Barbosa, o herói das emboscadas, o condutor Areal, o bom amigo Teixeira. Momentos de grato convívio de gente que partilha com resignação os mesmos sacrifícios. A ver se se tomamos uma 'bica' nesta mesma daqui a 2 meses (...)".

 © Beja Santos (2006)

 

 

Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Cuor > Missirá > Pel Caç Nat 52 1969 >  O "tigre de Missirá, o Alf Mil Beja Santos, como era conhecido afectuosamente pelos seus camaradas de Bambadinca, sede do BCAÇ 2852

 © Beja Santos (2006)

 

Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Cuor > Missirá > S/d > "Outro plano de Missirá -  um fundo de balneários e muralha de chapa", com o nosso alferes  "divertido com uma surucucu que andara a mexericar com as galinhas da Jará, ocasionando uma noite tumultuosa. Bidão em baixo, bidão em cima - balneário protegido contra a metralha"... E acrescenta o artista, na legenda, aposta no verso: "Ah,as calças eram do Zé Medeiros Ferreira".

 © Beja Santos (2006)

 

Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Cuor > Missirá > S/d > "Um momento de Missirá: à esquerda. Madiu Colubali, baixo de corpo, grande de coragem. Grande conhecedor do Corão e da escrita marabu; à direita, o régulo Malã Soncó, em perfeito traje de  chefe mandinga - figura bíblica, bravura sem igual. Atrás, o pequeno monumento que os rebeldes destruiram e nós reconstruímos. Ao fundo, à esquerda, a mesquita. À direita, cubata destruída no ataque de Setembro. Tudo tão belo" (...)

 © Beja Santos (2006)

 

Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Cuor > Missirá > Pel Caç Nat 52 > O Alf Mil Beja Santos, rodeado das autoridades civis e religiosas de Missirá. "Uma recordação do dia grande do Ramadã. O velho Malã, sua aristocracia de turbante, a ostentação de suas vestes. O bom Keban, expressão de um orgulho que não morre. O padre Mané é o mais humilde do grupo,  o grande conhecedor e intérprete do Corão, uma boa alma, feliz com nada que tem. O meu trajo é mesmo o meu traje, em grande estreia. Neste dia de manhã faleceu Bacari Soncó, um jovem Soncó, tísico e palúdico. A Guiné das imensas alegrias e provações".

 Foto e legenda: © Beja Santos (2006)

 

 

Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Cuor > Missirá > Pel Caç Nat 52 > Recordando a sua chegada a Missirá, em 4 de Agosto de 1968, escreveu o Beja Santos:  "Mal avistei o destacamento onde vivi 15 meses ininterruptamente, apertou-se-me o coração: o quartel tinha os postos de vigilância velhíssimos, o armamento era obsoleto, a mata avançava densa e perigosamente para o arame farpado" (...).

 © Beja Santos (2006)

 

Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Cuor > Missirá > S/d > O comandante do Pel Cacç Nat 52 dirige a construção dos abrigos

 © Beja Santos (2006)

 

Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Cuor > Missirá > 1969  > A morança do comandante do Pel Caç Nat 52 , destruída por uma granada incendiária, por ocasião de um grande ataque ao destacamento em Março de 1969. O Beja Santos perdeu tudo o que tinha: os seus livros, os seus discos, os seus escritos, os seus haveres...

 © Beja Santos (2006)

Guiné > Bambadinca > 1968 > Aspecto parcial do novo quartel de Bambadinca, no início da comissão do BCAÇ 2852 (1968/70). O Batalhão anterior tinha sido o BCAÇ 1904 (1966/68): foi no tempod este batalhão que explodiu. por acidente, o depósito de material de guerra.

 Foto:: © Beja Santos (2006)

 

Guiné > Bambadinca > 1968 > A necessidade faz o órgão: com três pirogas, o Beja Santos fez uma jangada e, perante a incredulidade geral, levou um velho reboque para a outra margem do Rio Geba e dali até Missirá... Ele tinha fama de levar tudo o que encontrava à mão, já que em Missirá não tinha nada: por isso o pessoal de Bambadinca gritava uns para os outros, mal avistavam o Pel Caç Nat 52 a atravessar a bolanha de Finete: "Eh, malta, em guarda, vem aí o Tigre de Missirá!"...

 Foto:: © Beja Santos (2006)

 

 

Guiné > Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Cuor > Missirá > s/d > O Alf Mil Beja Santos, de óculos escuros e lenço azul ao pescoço,  com uma secção do seu Pel Caç Nat 53, em cima de um burrinho (Unimog), na estrada Missirá-Finete

 Foto:: © Beja Santos (2006)

 

Guiné > Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Cuor > Missirá > s/d > O Alf Mil Beja Santos, comandante do Pel Caç Nat 52, de óculos escuros, ao lado do condutor e, na frente da viatura, o furriel Saiegh, na picada da bolanha de Finete

 Foto:: © Beja Santos (2006)

 

Guiné > Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Cuor > Missirá > s/d > Soldado do Pel Caç Nat 52

 Foto:: © Beja Santos (2006)

 

Lisboa > Hospital Militar Princiapal > 1969 > "Fotografia do Fodé Dahaba com um sorriso muito triste, tirada nos jardins do Hospital Militar Principal em Lisboa"... Elemento do Pel Caç Nat 52,  foi gravemente ferido na Op Anda Cá (Fevereiro de 1969) ... Aqui já com as divisas de 2º sargento

Foto::© Beja Santos (2006)

 

Mato Cão > Pel Caç Nat 52 (1972/73)

Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > Cuor > Destacamento de Mato Cão > 1973 >  Pel Caç Nat 52 > A travessia do Rio Geba fazia-se de Sintex, a remos. Na foto, o Alf MIl Joaquim Mexia Alves,  de pé, empounhando uma G3.

Foto: © Joaquim Mexia Alves (2006)

 

Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > Cuor > Destacamento de Mato Cão > 1973 >  Pel Caç Nat 52 > O Alferes Mil Joaquim Mexia Alves, com o Tomango Baldé, um dos mais antigso do Pelotão, segurando um macaco-cão.

Foto: © Joaquim Mexia Alves (2006)

 

Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > Cuor > Destacamento de Mato Cão > 1973 >  Pel Caç Nat 52 > Os precários abrigos existentes no tempo do Alf MIl Joaquim Mexia Alves, aqui na sua residência.

Foto: © Joaquim Mexia Alves (2006)

 

 

 

Missirá > Pel Caç Nat 54  (1968/70)

 

Guiné-Bissau > Região Leste > Bambadinca > Missirá :  Pelotão de Caçadores Nativos nº 54, em 1970.

1ª fila da direita para esquerda:  do pessoal metropolitano, o primeiro sou eu, furriel miliciano Mário Armas; o terceiro é o 1º cabo Capitão.

2ª fila da direita para a esquerda: o primeiro é o soldado Amarante; o segundo é o soldado Bulo; o quinto é o furriel miliciano Inácio; o sexto é o 1º cabo Tomé; o nono é o soldado Samba.

3ª fila da direita para a esquerda: do pessoal metropolitano, o primeiro é o furriel miliciano Sousa Pereira; o quinto é o alferes miliciano Correia (comandante de pelotão); o sétimo é o 1º cabo Monteiro; o oitavo, africano,  é o soldado Pucha (era guerrilheiro do PAIGC,  foi capturado e ficou no nosso exército)

 © Mário Armas de Sousa (2005)

 

Vd. também Luís Graça > Bogue-Fora-Nada

 

 

Fá Mandinga > Pel Caç Nat 63  (1969/71)

 

Guiné-Bissau > Região Leste > Bambadinca > Fá Mandinga,  sede do Pel Caç Nat  63 e da 1ª Companhia de Comandos Africanos >   Diversos furriéis e alferes da CCAÇ 12 e da CCS do BART 2917, de visita a Fá Mandinga, em meados de 1970: Reconheço do lado direito, o Alf Machado (CCS) e o Alf Abel Maria Rodrigues (CCAÇ 12). Do lado esquerdo, também à civil, de camisola vermelha, o Fur António Branquinho e de camisola verde o Fur Humberto Reis (CCAÇ 12).

Foto:  ©  Humberto Reis (2006) 

 

Lisbao > 2006 > O Jorge Cabral, hoje: advogado e professor universitário, especialista em questões de criminologia

 

 

Guiné > Região Leste > Bambadinca > Fá Mandinga > Pel Caç Nat 63 > Jorge Cabral, Alferes Miliciano de Artilharia, comandante do Pel Caç Nat 63, destacado em Fá Mandinga e depois em Missirá (1969/71)
Foto:   © Jorge Cabral (2006)

 

Guiné > Região Leste > Bambadinca > Fá Mandinga > Pel Caç Nat 63 > O Jorge Cabral, com alguns dos homens do seu pelotão
Foto:   © Jorge Cabral (2006)

 

Guiné > Região Leste > Bambadinca > Fá Mandinga > Pel Caç Nat 63 > O Jorge Cabral e as queridas bajudas mandingas
Foto:   © Jorge Cabral (2006)

 

 

O nosso álbum de fotografias >  

 

 

Última actualização:  31 de Outubro de 2006  / Last update:  October 31,  2006  

© Luís Graça (1999-2006) .  E-mail: luis.graca@ensp.unl.pt

|    index   |  textos_papers  |  links   |    forum    |   pst_whp   |

|    dados_data   |  historia_history   |   citações _quotations   |    antologia_anthology   |   cvitae  |

| guiné_guerracolonial|