Luís Graça: Textos sobre saúde e trabalho / Papers on health and work  

 página / page    178

 

178. Graça, L. (2005) -  A vida de um médico português na Belle Époque [ Portuguese doctor's life during the Belle Époque ](a)

prt.gif (3175 bytes)  Versão em português

gbr.gif (3423 bytes) Portuguese version only

     

1. Tomás de Mello Breyner (1866-1933) 

2. Uma medicina classista

3. Um geração brilhante de médicos

4. A morbimortalidade do princípio do Séc. XX

 

1. Tomás de Mello Breyner (1866-1933) 

 

Thomaz de Mello Breyner é uma figura conhecida nos meios da política e da medicina do princípio do Séc. XX.  É autor de um Diário de um monárquico, abarcando um período que vai dos últimos anos da Monarquia até à República. O diário, manuscrito, foi transcrito e anotado pelo seu neto Gustavo de Mello Breyner Andresen, e publicado pela Fundação Eng. António de Almeida. Um dos volumes que li com curiosidade e agrado abarca os últimos anos da Belle Époque: 1905-1907 (Breyner, 1993).

Em 1 de Fevereiro de 1908, a monarquia portuguesa é ferida de morte: O rei D. Carlos (1863-1908) e o príncipe herdeiro D. Luís Filipe são assassinados no Rossio.  Thomaz de Mello Breyner, futuro 4º conde de Mafra, médico da corte e amigo íntimo da família real (vd. Caixa 1, em anexo),  já por diversas vezes tinha manifestado a sua preocupação sobre o futuro da Pátria e da dinastia de Bragança: "Onde está o meu Rei estou eu, sobretudo agora em tempo quase de de guerra",  escrevia ele  a 8 de Dezembro de 1907  (Breyner, 2003. 344).

No final desse ano, anotava no seu diário: "Acaba-se hoje um ano que não me deixa as menores saudades. Praza a Deus que o próximo seja melhor. Saúde para os meus, para o rei e para a Pátria é que se deseja e também para o João Franco" (31 de Dezembro de 1907). Estava longe de imaginar que, dentro de um mês, estaria a chorar a perda dos seus queridos Rei e Príncipe Real e a embalsamar os seus corpos. Do seu Rei dirá: "Que bom amigo e que bom homem! Era digno de melhor sorte. E de melhor Pátria!..." (30 de Dezembro de 1907).

É, de resto, um homem também minimamente atento ao (e preocupado com o) que se passa na cena internacional:

  • "Há terríveis notícias de uma revolução na Rússia" (23 de Janeiro de 1905);

  • "Quando estava no quarto de El-Rei antes do jantar recebeu ele um telegrama dizendo que em Madrid foi esta manhã lançada uma bomba sobre o coche onde o rei Afonso XIII e a Rainha Vitória vinham, tendo acabado de casar. Os Reis ficaram ilesos, mas morreu muita gente à roda. São os anarquistas em acção. Ao nosso Príncipe Real nada aconteceu" (31 de Maio de 1906).

Relutante em meter-se na política, Mello Breyner não hesita, em apoiar o João Franco, indigitado por El-rei para formar governo (19 de Maio de 1906). Dias depois vai a casa de João Franco entregar a sua "influência em Mafra", onde está garantido o apoio da "saloiada" (sic), ficando assim "ligado ao homem em que tenho confiança". A justificação é simples: "Sou português e sou pai de filhos, por isso quero que a Pátria se endireite" (29 de Maio de 1906). Mas um ano antes rejeitava a ideia dos seus apoiantes de Mafra para  se envolver na política, citando o seu mestre Sousa Martins: "a política é uma marafona com quem nunca tive nem desejo ter relações" (10 de Fevereiro de 1905).

A sua carreira política será, todavia, modesta e discreta: o João Franco resolveu fazer dele deputado e encarregá-lo da "reorganização do serviço de meretrizes" (sic) (19 de Junho de 1906). E de facto caber-lhe-á a criação do serviço de dermatologia e doenças venéreas no Hospital do Desterro. Vai desportivamente, uma vez por outra, à Câmara dos Deputados, da parte da tarde. Em Vernet-les-Bains, nos Pirinéus franceses, onde o sogro tem interesses imobiliários, e onde a família faz férias de Outono-Inverno, escreve o nosso deputado absentista: "Pelos jornais vejo que houve no dia 20 sessão tumultuosa na Câmara dos Deputados, sendo postos fora pela força armada os deputados republicanos Afonso Costa e Alexandre Braga. Parece-me que o João Franco precisa começar a  dar porrada rija" (23 de Novembro de 1906).

 É contudo um patriota e leal monárquico: Estando em Madrid, no dia 1 de Dezembro de 1906, tem este pensamento: "Amanheceu o dia puro e alegre como em Lisboa em 1640" (Madrid, 1 de Dezembro de 1906). Curiosamente, esta frase faz-me lembrar o poema da sua neta Sophia sobre o 25 de Abril de 1974: "Esta é a madrugada que eu esperava / O dia inicial inteiro e limpo / Onde emergimos da noite e do silêncio / E livres habitamos a substância do tempo".

Mas  avó materno da grande poeta que foi a Sophia de Mello Breyner Andresen (1919-2004), era também um reputado e popular médico que fez carreira nos hospitais civis de Lisboa e que privou com os maiores vultos da medicina de então, tendo inclusive sido docente da Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa, a mesma que depois, anos mais tarde, em 1911, será transformada em Faculdade de Medicina, integrada na Universidade de Lisboa (Grande e Bandeira, 1999).

Tomaz de Mello Breyner era casado com uma das filhas do homem mais rico de Portugal, o banqueiro Henry  de Burnay, Conde de Burnay (1838-1909), o homem forte da Companhia dos Tabacos. Era  um extremoso pai de nove crianças e um homem afável, além de amigo do seu amigo. Tinha sobretudo o curioso hábito de anotar, dia a dia, na sua agenda, os fait-divers da sua vida familiar, social e profissional.

São algumas dessas notas do seu diário, incluindo os seus interessantes obituários,  que nos permitem conhecer hoje, um pouco melhor, a prática da medicina, quer hospitalar quer privada, daquela época, tendo como pano de fundo a conturbada  vida política da época, bem como a morbimortalidade que atingia as pessoas do seu círculo de relações (família, criados,  amigos, colegas).

Thomaz de Mello Breyner mostrava ser um homem de hábitos, disciplinado, obsessivo com as horas. Levantava-se cedo  e, quando não dormia no Paço das Necessidades (então residência oficial da família real), saía da sua casa, na Junqueira, em Lisboa (sendo portanto vizinho dos seus sogros, que moravam no Palácio Burnay, sito no nº 86 da Rua da Junqueira, edifício hoje classificado como imóvel de interesse público, juntamente com os seus anexos e jardim), e ia directamente para o Hospital do Desterro, por volta das 7 horas, conduzindo ele próprio, muitas vezes, o seu automóvel, o que para os médicos da época era ainda um verdadeiro luxo!

No Hospital do Desterro, o nosso homem não deveria trabalhar mais do que duas a três horas. Vemo-lo a sair por volta das 10h.  Almoçava em casa ou nalgum hotel da Baixa. Da 1 às 3h (ou das 2 às 4h) estava, habitualmente, no seu consultório, na  Rua do Ouro,  292-1º, que partilhava com o seu colega e sócio Agostinho Tavares (20 de Maio de 1906).

Noutras vezes sai directamente, de casa ou do Paço,  para "ver os meus doentes" (22 de Janeiro de 1905). À noite, também sai, quando é chamado, para ver doentes: "À noite ainda fui ver um doente ao Hotel Porto" ( 10 de Fevereiro de 1905). Não há uma única referência aos honorários que deveria receber da sua actividade privada.

Embora pertencesse ao high life e ao mundo snob que era retratado pelo Diário Ilustrado, "o mais lido dos jornais do Partido Regenerador-Liberal, (...) o órgão da boa sociedade, preenchido por notícias da corte, de partidas e chegadas, de aniversários, soirées, recepções, nascimentos e casamentos"  (Ramos, 1994. 274), Tomaz de Mello Breyner revela-se sobretudo um atento e sensível pai de família que procura ter tempo para os seus, sempre que as suas obrigações principais (médico da corte, juntamente com o seu colega de hospital, o cirurgião Artur Ravara, por exemplo) o permite:

  • "Fui de manhã no automóvel levar os pequenos ao colégio" [ em Campolide ] (3 de Julho de 1905);

  • "De tarde tive ao pé as minhas queridas filhas Maria e Teresa que continuam muito sarampadas"  (21 de Fevereiro de 1905).

Vai a festas e outras reuniões sociais mas parece não morrer de amores por São Carlos: "Hoje há récita de gala em S. Carlos, onde não fui por falta de pachorra" (23 de Março de 1905).

Em contrapartida, parece ser um admirador (acrítico) do talento do seu sogro para fazer negócios e lidar com os políticos: "Hoje foi assinado o contrato entre o Governo Português e um grupo de banqueiros ligado à Companhia de Tabacos. É para a conversão e para exclusivo do fabrico de tabacos. É mais um triunfo para o meu sogro que deu nesta questão um golpe de mestre" (4 de Abril de 1905). Recorde-se que o  sogro, Conde de Burnay, era o todo-poderoso presidente do Conselho de Administração da Companhia de Tabacos, não admirando por isso que o genro fizesse parte do respectivo Conselho Fiscal (desde 1903 a 1933) (Mónica, 1992. 119-122).

 

2. Uma medicina classista

 

Médico hospitalar, especializado em França em doenças sexualmente transmissíveis, fazia medicina privada, como todos os médicos do seu tempo, para uma clientela rica (ou com posses). Mas o o seu consultório, situado na baixa lisboeta, então uma zona chique,  também é usado na sua vida social.  Tomás de Mello Breyner é fluente em inglês, além do francês, e amigo de escritores como John dos Passos (que está de passagem em Lisboa a 24 de Maio de 1905). Frequentemente é solicitado para servir de intérprete e até de fazer de relações públicas da corte.

Eis alguns excertos do seu diário, que apoiam  a tese segundo a qual se podia falar na época, e até tarde, de uma medicina privada para as classes possidentes e uma medicina hospitalar para os pobres:

  • "Recebi [no consultório] a visita de Mr. Drexel, o milionário americano que há dias aqui chegou no seu iate" (23 de Maio de 1905);

  • "Tive a visita do grande Guerra Junqueiro que foi mostrar-me um herpes loster que este tem há muito tempo" (26 de Junho de 1905);

  • "Fui depois a Cacilhas ver a mulher de um inglês chamado Symington" [presumivelmente ligado à indústria corticeira] (17 de Março de 1906);

  • "De manhã Hospital e às 11h. fui operar uma cocotte espanhola
    à Rua do Grémio Lusitano" (23 de Março de 1906);

  • "De 1 às 3h. Consultório. Antes de vir para aqui [ Paço da Pena, Sintra] fui à avenida [ da Liberdade ] ver a minha doente D. Milagro Angulo que me deu um anel com 3 brilhantes para a minha filha Maria Amélia " (18 de Setembro de 1906);

  • "Fui depois com o [querido mestre Édouard ] Brissaud [ que estava em Lisboa por ocasião do XV Congresso Internacional de Medicina] ver o sr. Maia na avenida [da Liberdade], um brasileiro onde estava a Marbel Ellerton" (25 de Abril de 1906).

A partir de 30 de Junho de 1906, deixava o seu consultório na Rua do Ouro em virtude de o senhorio ter aumentado em 100 mil réis a renda anual. Mudou-se então para a Rua do Corpo Santo, 13-2º, "mas por enquanto dou a minha consulta aqui em casa [ na Junqueira ], das 2 às 4h. p.m." (30 de Junho de 1906).

3. Um geração brilhante de médicos

 

Nessa época já estava a funcionar o Hospital Colonial. A 11 de Janeiro de 1905, o autor acompanhou um colega inglês do cruzador Essex numa visita aos hospitais de Lisboa, "acabando pelo Hospital Colonial na Junqueira onde estava o António de Lancastre que mostrou a doença do sono em seis pretos" (Breyner, 2003.19). Este António de Lencastre, médico e aristocrata, é citado por Mira (1947. 475) como tendo sido enviado, pelo Governo, em 1899,  "em comissão ao estrangeiro (...) para ali estudar os processos empregados no isolamento e hospitalização dos tísicos", iniciativa da qual iria nascer, nesse mesmo ano, a Assistência Nacional aos Tuberculosos

Há, por outro lado, várias referências, entusiásticas, ao Instituto Bacteriológico  Câmara Pestana e aos progressos das ciências biomédicas: "Quando esta manhã estava no Hospital do Desterro, disseram-me do Instituto Bacteriológico que a análise das membranas tiradas da garganta do meu filho Chico dava a existência de bacilos de difteria. Fiquei apenas apoquentado, mas se fosse há 10 anos quando hão havia ainda o soro Bering-Roux teria ficado louco. Fui logo buscar o colega Carlos França que veio e injectou dois frascos no ventre do pequeno. A montagem do Instituto para este serviço é perfeita e deve-se à Rainha D. Amélia (...). Às 6 h. da tarde já o Chico tinha melhorado, tendo a injecção sido feita ao meio dia! Viva o Roux! Viva o Bering! Viva a Rainha!" (15 de Março de 1905).

O Instituto Bacteriológico é, de resto, visita obrigatória dos médicos estrangeiros que passavam por Lisboa, sendo o Dr. Tomaz de Mello Bryner o cicerone:

" (...) Fui de manhã com o automóvel de minha sogra ao Arsenal buscar o Dr. Bankart, médico do iate real Victoria & Albert, e o Dr. Hunt, médico do cruzador Cornwall e dali fomos todos ao Instituto Bacteriológico e à 1h. trouxe-os a almoçar a casa do meu sogro" (24 de Março de 1905).

Câmara Pestana é um dos fundadores da bacteriologia em Portugal, criando as condições para o desenvolvimento da medicina laboratorial. Em 1892, o Governo tinha criado o Instituto Bacteriológico de Lisboa e nomeado Câmara Pestana seu director. .Por falta de edifício próprio, o Instituto é provisoriamente instalado no Hospital de S. José. Em 1895, passou a designar-se Real Instituto Bacteriológico de Lisboa. Em 1899 é inaugurado o novo edifício. Passa a ter então a designação  (IBCP) que tem hoje. Em 1911, é incorporado na recém-criada Universidade de Lisboa,   anexo à Faculdade de Medicina de Lisboa até à publicação dos Estatutos da Universidade de Lisboa, em 1989.

Aníbal Bettencourt sucede, na direcção, ao malogrado Câmara Pestana, cujo futuro prometia ser brilhante, ao analisar-se a sua curta vida de médico (10 anos, dos quais um passado em estágio no Instituto Pasteur, de Paris) (Pina, 1947.454-456) (A sua brilhante dissertação inaugural sobre "O micróbio do carcinoma", apresentada e defendida, em Julho de 1889, perante a Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa, está disponível em formato pdf no sítio do IBCP)

Durante a primeira  década do Séc. XX, o Instituto Bacteriológico Câmara Pestana vai reunir um grupo de gente (médicos e veterinários) que irá produzir um conjunto notável de estudos científicos. O IBCP cria inclusive uma revista, os Arquivos do Instituto Bacteriológico Câmara Pestana, "escrita em francês para ser distribuída internacionalmente" (Mira, 1947. 457). Deste grupo inicial, que representa o melhor que se faz em Portugal em termos de investigação biomédica, é de  de citar Gomes de Resende, Carlos França, Reis Martins, Morais Sarmento,  Marck Athias, Aires Kopke, Nicolau Bettencourt e Ildefonso Borges, entre outros (Mira, 1947.456). Carlos França e Marck Ahias são dois dos maiores vultos desta geração. É uma época de  "notável distinção para a medicina portuguesa, e particularmente para a Escola de Lisboa" (Mira, 1947. 462), a qual ofuscava por completo a Faculdade de Medicina de Coimbra. 

O nosso autor  acompanha também o Rei ou a Rainha em visita a estabelecimentos e saúde:

  • "Fomos ao Hospital do Rego [ actual Hospital Curry Cabral ] que está pronto e lindo. É pena que não haja mais aquecimento dentro das enfermarias (...). El-Rei foi recebido pelo ministro do Reino (S. D. José Caelho), Ferraz de Macedo [ Director-Geral de Saúde Pública ], Curry Cabral [ Enfermeiro-mor do Hospital de S. José e anexos entre 1901 e 1910 ] (...)"

  • "Da 1 às 2 1/2 Consultório e dali ao Hospital onde a rainha D. Amélia fez uma demorada visita ao Instituto Finden (...) (20 de Fevereiro  de 1905).

Também há referências ao "saudoso mestre" Sousa Martins, nascido em Alhandra em 1843 e falecido em 1897, de tuberculose:

"Fui (...) com o Alfredo [da ] Costa e mais uns amigos de Sousa Martins levar ao Casimiro José de Lima um presente em sinal de gratidão por tudo o que fez à memória do saudoso mestre. Custou-me o brinde à minha parte 30 mil réis mais do que eu dei para a estátua de Sousa Martins! Coisas da nossa terra, entusiasmos disparatados" (7 de Dezembro de 1905).

O Dr. Tomás de Mello Breyner usa e abusa dos favores dos seus colegas do hospital, como o Jorge Cid, o Carlos França, o Artur Ravara, o Alfredo da Costa, o Custódio Cabeça ou José Gentil, quando alguém da sua família ou das suas relações está doente:

  • "Fui de manhã ao Hospital e levei comigo o Chiquinho para ser visto pelo [ José ] Gentil. Tem com efeito tumores adenóides na faringe e precisa de ser operado. Valha-me Deus e Nossa Senhora" (20 de Maio de 1905);

  • "Quando cheguei [a casa, na Junqueira] encontrei  a minha querida filha Maria Amélia com difteria, tendo já vindo o Carlos França fazer uma injecção de soro. Valha-me Deus"  (27 de Março de 1906);

  • "A querida Mariazinha dormiu melhor e de manhã fui no automóvel buscar o Carlos França (...)" (29 de Março de 1906);

  • "Não fui ao Hospital porque o sogro [ Conde de Burnay ] passou mal a noite; organizei uma conferência com Ferraz de Macedo, Moreira José e  Silva Carvalho e, muito de propósito, não assisti para os obrigar a deixar as instruções e opiniões por escrito. Assim se fez" (30 de Maio de 1905);

  • "Vim de Mafra e trouxe comigo a Mademoiselle Lebigot [ " a mestra francesa das pequenas"]  para consultar o médico Nuno Porto" ( 16 de Agosto de 1905);

Nesta época ainda são os médicos (ou os estudantes de medicina) a fazerem os curativos ou ministrarem injecções, havendo escassas referências a pessoal de enfermagem (itálicos meus):

  • "À noite sai para fazer o curativo do meu cunhado Roberto que vai melhorando um pouco" (25 de Abril de 1905);

  • "Às 4h. 40' vim para aqui fazer duas injecções de digitalmia a meu sogro que está um pouco assistólico e cá durmo para vigiar os efeitos" (18 de Maio de 1905);

  • "Voltei [ao Paço de Cascais] às 1h. 40 com o estudante do 4º ano que veio ajudar-me a extirpar um quisto ao Príncipe Real" (3 de Novembro de 1905);

  • "De manhã fiz o curativo ao Príncipe e uma massagem à Rainha [que na véspera fizera  uma contusão na perna e no braço, devido a queda de cavalo]" (5 de Novembro de 1905);

  • "Fui depois [do Consultório] ver o João Pindella que continua moribundo e vacinar toda a família do Fernando Serpa" (2 de Junho de 1906);

  • "Às 7 h. a.m. fui ao Hospital. Às 10 h. (...) fui a Belém a casa do Pedro Franco cloroformizar [ anestesiar com clorofórmio] o meu amigo Feliz Saraiva para ser operado de apêndice pelo Dr. Cabeça. Correu bem a operação" (12 de Junho de 1906);

  • "Fui ao Hospital e às 10 1/2 vim aqui [a casa, na Junqueira] para ajudar o Dr. Valadares a cortar uma amígdala a minha filha Maria da Luz"

Como já se disse, há muitas poucas referências a novos profissionais de saúde, não médicos, como os fisioterapeutas e os enfermeiros (itálicos meus):

  • "Vi no Século no dia 10 que morrera na véspera na sua casa em Lisboa (...) o meu amigo Alfredo Dias, massagista dos Hospitais e muito boa pessoa (...) Foi muito protegido pelo Sousa Martins". Diz o nosso autor que lhe chamavam-lhe o Dias Mexano porque nos cartões de visita dizia ser " mechano-therapeutha" (sic) e houve uma enfermeira que lhe chamou "mexano". "Pobre Dias! Éramos amigos de tu" (Pedras Salgadas, 11 e 12 de Julho de 1905).

  • "Morreu ontem e enterrou-se hoje o Afonso, enfermeiro da Companhia Real em Santa Apolónia. Era inteligente, sabedor dos eu ofício e muito meu amigo (...). Foi enfermeiro no Hospital de São José e há 20 anos que estava em Santa Apolónia.  Este Afonso era muito corado e o Júlio Mardel chamava-lhe ginja d' aguardente " (4 de Outubro de 1907).

Uma das coroas de glória do nosso médico é a organização e a realização, em Lisboa, em 1906, do XV Congresso Internacional de Medicina. Tomaz de Mello Breyner era o secretário da Comissão Executiva, presidida por Miguel Bombarda:

  • "(...) Conferência com o Bombarda e o Lavrador José Palha Blanco sobre a festa ribatejana a dar aos congressistas" (7 de Fevereiro de 1906);

  • " (...) Fui com a Sofia [a esposa] para a nova Escola Médica [em Santa Marta]. A Sofia foi à reunião do Comité de Senhoras do Congresso de Medicina" (15 de Abril de 1906).

Este encontro foi um "sucesso", do ponto científico e social, tendo trazido a Portugal a elite médica da época:

  • "Apresentei  o famoso [Gerhard] Hansen, de Bergen [1841-1912], e descobridor do bacilo da lepra ao Príncipe Real" (21 de Abril de 1906);

  • "(...) Fui por ordem de El-Rei numa carruagem real levar aos Prof. Costa Alemão [do Porto, presidente do Congresso] e Miguel Bombarda as cartas régias e as insígnias de grã-cruz de Santiago (...). Ambos encantados e eu muito ancho de ter sido o portador" (26 de Abril de 1906);

  • " (...) Encerramento solene do Congresso. O próximo Congresso (XV) será em Budapeste" (26 de Abril de 1906);

  • "(...) Vim aqui apresentar a El-Rei o Professor [Albert] Neisser, de Breslau [1855-1916]" (27 de Abril de 1906).

É também nesta altura que Tomaz de Mello Breyner é nomeado director do futuro serviço de dermatologia e dermatovenerologia do Hospital do Desterro (de que foi "patrão" entre 1906 e 1933): "Tomei posse do meu novo  serviço como assistente na enfermaria de meretrizes no Hospital do Desterro. Como é director um ilustre mandrião, chamado Evaristo de Almeida, segue-se que eu terei todo o trabalho" (15 de Janeiro de 1906). Dois dias depois,  é colocado numa "situação duvidosa de Comissão".

Decide então usar as suas influências: "Fui declarar ao enfermeiro-mor Curry Cabral que exijo a colocação a que tenho direito e resolvi não voltar ao hospital enquanto não ma derem" (18 de Janeiro de 1906).

Passados uns dias, é "assinado por El-Rei o decreto para a minha nomeação de director de enfermaria de Santa Maria Madalena no Hospital do Desterro" (1 de Fevereiro de 1906). E acrescenta: "Estou satisfeito porque sempre desejei trabalhar num serviço da minha especialidade". 

No dia 6 de Fevereiro de 1906 pode ler-se: "No Diário do Governo de hoje vem o meu despacho para director de enfermaria. Foi assinado por El-Rei em 31 do mês passado e despacho ontem pelo Director Geral [da Saúde Pública]  João Ferraz de Macedo. Fui substituto 12 anos e 4 meses por isso que fiz concurso em Agosto de 1893".

Entretanto, são raras as referências ao que se passa por detrás dos muros do Hospital e, em particular, no seu serviço. Uma ou outra excepção:

  • "Fui com a  [ prima ] Maria Ficalho distribuir amêndoas às doentes da minha enfermaria" (14 de Abril de 1906);

  • "De manhã, hospital. Assistiram muitos médicos estrangeiros ao meu serviço" (18 de Abril de 1906);

  • "De manhã fui ao Hospital apresentar-me depois da licença" (11 de Setembro de 1906)

  • "Faz hoje um ano que tomei conta do meu serviço como director da enfermaria de Santa Maria Madalena no Desterro" (9 de Fevereiro de 1907);

Tomás de Mello Breyner tinha feito a sua especialidade, em Paris, nos primeiros anos da década de 1890. Tinha em França excelentes relações, no seu meio social e profissional. E ia lá com frequência. Em 27 de Setembro de 1905, por exemplo, vemo-lo  partir no Sud-Express, com vários colegas (António de Lencastre, António de Pádua, Guerreiro Novo, Sousa Machado, Carlos Ferreira...), para Paris, para participar o Congresso Internacional da Tuberculose (2-7 de Outubro de 1905). Na época a viagem levava cerca de 36 horas.

Em 1906 foi proposto Membro da Sociedade Francesa de Dermatologia e Sifiligrafia (16 de Janeiro de 1906).

Refira-se, por fim, que nesta época ainda se usava a purga, as ventosas e a sangria (itálicos meus):

  • "À noite fui ver o Conde  da Ribeira que no fim de todo o sofrimento tem agora uma pneumonia (...). Toda a vida o conheci e sempre foi muito meu  amigo. Estive ao pé dele até por volta da meia noite. Puz-lhe muitas ventosas que o aliviaram" (9 de Dezembro de 1907);

  • Seis depois depois, o Conde da Ribeira Grande (D. José), irmão do escritor João da Câmara, expirava nos braço do seu primo e amigo. Tinha 64 anos (15 de Dezembro de 1907);

  • "Às 3 1/2 fui chamado à pressa para assistir [o cunhado João  da Câmara, vítima de ] um ataque de eclampsia formal e terrível. Começou então a luta. veio o Porto, o Cid., o Pocariça. À noite sangramos o doente e passámo-lo para a sala. A noite foi medonha. Que grande desgraça. O terreno é mau ainda que é valente o arcabouço do doente e coração não está em muito mau estado" (28 de Dezembro de 1907);

  • "El-Rei está com febre e amadornado. Suponho que será do estômago. Mandei-o para a cama e vou dar-lhe uma purga" (2 de Outubro de 1907).

No dia seguinte, logo ás 6 da manhã, o médico do Rei foi visitá-lo. E escreveu o seguinte no seu diário: "Noite agitada. Deus queira que não venha por ali alguma macacoa grande, tanto mais que  não se pode contar muito com aquele real coração que deve estar flácido" (3 de Outubro de 1907).

A saúde do Rei era um problema de Estado. Sabe-se que D. Carlos estava longe de ter uma vida regrada e que sofria de diabetes... Essa dura notícia foi dada pessoalmente pelo nosso autor à  Rainha D. Amélia em 25 de Janeiro de 1906: "(...) El-Rei é um diabético. Com 22 g. 560 de açúcar por litro. É uma má notícia para todos, mas entendi que devia dá-la à Rainha em primeiro lugar. Foi o Virgílio Machado que fez a análise. Bem desconfiava eu quando em menos de um mês  lhe caíram uns dentes molares. Vamos ver se conseguimos, pelo menos, um regime".

4. A morbimortalidade do princípio do Séc. XX

 

Também há notas sobre a saúde pessoal do autor, dos seus  familiares e das demais pessoas das suas relações:

  • Por exemplo, em 14 de Janeiro de 1905, o autor está muito "grippado" (sic) pelo que não saiu de casa;

  • No dia seguinte já estava "um pouco melhor (...) da constipação".

  • Típica frase de um médico, que é hipocondríaco e que lida mal com a doença que o atinge, a si e aos seus: "Não tenho tempo para estar doente";

  • A 17 é uma sobrinha que está convalescente do sarampo;

  • A 11 de Fevereiro os dois príncipes estão também com sarampo.

  • Quando chega a casa, de tarde, vai ver os pequenos, "mas de longe", com "medo de lhes levar o sarampo" (15 de Fevereiro de 1905);

  • A 4 de Fevereiro, vai de manhã a casa do criado Fernandinho (do Paço) que adoecera com um "bronchopneumonia" (sic).

As pessoas (mesmo as da classe alta) morrem cedo, e sobretudo de tuberculose e de outras doenças (a escarlatina, a difteria ou a febre tifóide) que hoje deixaram de ter grande peso na morbimortalidade da população portuguesa. São frequentes as notícias da morte de amigos e conhecidos (itálicos meus):

  • Henrique Stegner, professor de alemão, com 66 anos, de "lesão cardíaca" (8 de Fevereiro de 1905);

  • "Morreu esta manhã com 3 1/2 anos a filha mais velha dos Condes de S. Lourenço, neta dos Condes de Sabugosa. Era uma encantadora criança que uma escarlatina matou em 3 dias" (18 de Junho de 1905);

  • " Morreu ontem o Alfredo Casais com quem brinquei na minha infância (...). Era filho de uma criada inglesa (...).  Tinha a minha idade. Era bom rapaz. (...) Foi uma vítima do vinho barato" (21 de Outubro de 1905);

  • "Morreu esta madrugada (...), vítima da tuberculose pulmonar, o meu primo e amigo Conde de Óbidos, (...) meirinho-mor do Reino, oficial-mor da Casa Real, Par do Reino e 2º tenente da Armada Real. Tinha (...) 31 anos (...) Pobre Pedro!, foi uma vítima do muito que subiu na alta roda. Em 2 anos morreram a mãe dele, Condessa do Sabugal, e na Suiça os dois irmãos Manuel e Luís, todos tuberculosos" (12 de Dezembro de 1905);

  • "(...) Morreu tísico em casa de seu pai na Rua de S. Domingos à Lapa o Conde de Arnoso (João), 2º tenente da Armada Real. Era um oficial distinto, um bom rapaz e um bom amigo" (6d e Junho de 1906);

  • "Morreu ontem com uma febre tifóide o meu colega e amigo Dr. Sebastião Ramos Chaves, filho do meu mestre de inglês Manuel Ramos Chaves. Tinha 34 anos" (21 de Dezembro de 1906);

  • "Morreu esta manhã quase repentinamente com um ataque de angina de peito, na sua casa (...) o Conselheiro João Ferraz de Macedo, lente de clínica médica na Escola Médica e Director Geral da Saúde Pública" (3 de Janeiro de 1907);

  • "[Fui] ao enterro do meu colega e amigo Dr. Virgílio Baptista, que morreu ontem ao meio dia, vitimado aos 33 anos por uma febre tifóide. Era rico, feliz, amável e trabalhador" (21 de Novembro de 1907);

  • "À tarde fui com o Jorge Cid ao Lumiar ver o Conde de Óbidos que está cada vez pior: último grau da tísica pulmonar" (16 de Agosto de 1905);

  • "Fui de manhã a Lisboa ver uma filha do meu amigo A.B.F. (Anselmo Braamcamp Freire) que tem uma moléstia terrível. Que dó, que aflição!" (21 de Outubro de 1905);

  • "Fui à vila de Santo António ver uma irmã da Caridade espanhola, que está tísica e moribunda" (13 de Outubro de 1906);

  • "Morreu esta manhã no convento das Dominicanas de Benfica onde era freira minha prima do Maria do Carmo  Braamcamp de Mello Breyner (...). Morreu tísica" (1 de Abril de 1907).

O mal de viver, o suicídio e outras formas de morte violente como o homicídio também estão presentes nas página do diário (itálicos meus):

  • "De tarde estive com o Prof. M. Bombarda e com o colega Arsénio Cordeiro uma conferência ao Afonso de Portugal que está alienado. Pobre rapaz! 30 anos, tenente de cavalaria e perdido. É o marido da filha mais nova do General Queiroz" (14 de Junho de 1905); no dia seguinte, o doente dá entrada no Rilhafolhes (actual Hospital Psiquiátrico Miguel Bombarda);

  • "Morreu hoje ao meio dia em Coimbra o Professor Sousa Refoyos em resultado de um tiro que lhe disparou ontem um médico chamado Rodrigo de Barros Teixeira. Dizem que era um louco, mas mais louco desde que o pobre Refoyos (...) resolveu persegui-lo sem cessar (...). O Refoyos era um bom cirurgião, o melhor ou antes o único de Coimbra" (4 de Dezembro de 1905);

  • "De tarde fui a Queluz no automóvel Mercedes (40 cavalos) do americano Henry Church. Este Church é um milionário neurasténico que tem le mal de l'argent [itálico no original]. Tem apenas 25 anos e anda pelo mundo numa ânsia de divertimento sem saber o que há-de fazer ao dinheiro e à cabeça" (27 de Dezembro de 1905).

Referências bibliográficas (em organização) (a)

 (a) GRAÇA, L. (1996) - Evolução do sistema hospitalar: Uma perspectiva sociológica. Lisboa: Disciplina de Sociologia da Saúde / Disciplina de Psicossociologia do Trabalho e das Organizações de Saúde. Grupo de Disciplinas de Ciências Sociais em Saúde.  Escola Nacional de Saúde Pública. Universidade Nova de Lisboa   (Textos, T 1238 a T 1242).

 

Caixa 1 - Tomás de Melo Breyner (1866-1933),  médico de D. Carlos I e 4.º conde de Mafra

"Nasceu em Lisboa, em 2 de Setembro de 1866;  morreu na mesma cidade em 24 de Outubro de 1933.

"Filho segundo dos 2.os condes de Mafra, e irmão mais novo do 3.º conde, Francisco de Melo Breyner, que morreu em 1922, foi 4.º conde por autorização de D. Manuel II no exílio. 

"O pai tinha sido comandante do batalhão de caçadores 5, de que os reis de Portugal desde D. Pedro IV eram comandantes honorários, sendo no Castelo de S. Jorge, quartel do batalhão, que Tomás de Melo Breyner nasceu. Estudou no Colégio Académico Lisbonense, tendo frequentado a Escola Politécnica e posteriormente a Escola Médico-Cirúrgica de  Lisboa, no Campo de Santana, tendo sido interno dos hospitais nos últimos anos do curso.

"Especializou-se em França, tendo concorrido em 1893 a médico do hospital de S. José, ano em que foi nomeado médico da real câmara por D. Carlos I. Nestas funções acompanhou a rainha D. Amélia a Paris em 1894, e a rainha viúva D. Maria Pia a Itália em 1901. 

"Em 1897 foi como secretário do Dr. Sousa Martins ao Congresso sobre peste bubónica que se realizou em Veneza. Em 1903 representou Portugal no Congresso Internacional de Medicina de Madrid, em em 1905 no realizado em Paris. Em 1906 o Congresso reuniu-se em Lisboa e D. Tomás de Melo Breyner foi eleito secretário da comissão executiva.

"Foi deputado na legislatura de 1906-1907, e director de serviço clínico nos Hospitais Civis de Lisboa.

"Casou em 1894 com Sofia Burnay, filha mais nova dos 1.os condes de Burnay, tendo tido nove filhos".

Fonte: O Portal de História > Biografias

 

Caixa 2 - Luís da Câmara Pestana (Funchal 1863 - Lisboa, 1899)

"Higienista e professor universitário português (Funchal 1863 - Lisboa, 1899). Matricula-se na Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa e conclui o curso em 1889, apresentando ali a tese O Micróbio do Carcinoma.

"Torna-se professor desta Escola em 1890, regendo as cadeiras de Higiene, de Medicina Legal e de Anatomia Patológica. Com Moreira Júnior, é, logo que terminado o curso, o primeiro interno do Hospital de S. José e, quase de imediato, cirurgião interino, efectivo um ano depois e, cinco anos mais tarde (1895), cirurgião extraordinário.

"Cria em 1892 o Instituto Bacteriológico, que vem a receber o seu nome. Em 1894 demonstra que o bacilo isolado na epidemia de Lisboa não é o vibrião colérico, contra as opiniões que vigoram, o que o torna numa autoridade em matéria de higiene. Exerce com grande prazer o cargo de professor, deixando discípulos.

"Morre prematuramente vítima da peste que combate na cidade do Porto. Pertence a várias comissões científicas em Portugal e no estrangeiro e publica Bakteriologische Untersuchungen über das Lissaboner Epidemie von 1894, Soroterapia (1898) e, em colaboração com Miguel Bombarda, A Raiva em Portugal (1896).

Fonte:  Vidas Lusitanas

 

Última actualização: 25 de Fevereiro de 2005 / Last updated: February 25,   2005

© Luís Graça (1999-2005). E-mail: luis.graca@ensp.unl.pt

|    index   |   links   |    forum    |   pst_whp   |    textos_papers  |   historia_history    | 

|    dados_data   |    citações _quotations   |    antologia_anthology   |   cvitae  |